O PMAQ cobra: Programe ações para Grupos Prioritários!

O PMAQ cobra: Programe ações para Grupos Prioritários!

O PMAQ tem uma atenção especial a grupos prioritários de cuidado continuado. Dessa forma, para alcançar mais pontos na escala avaliativa (PMAQ), suas equipes devem programar ações de educação em saúde para pacientes de grupos prioritários. Os pacientes pertencentes a esses grupos são:  crianças menores de 5 anos, idosos, gestantes, hipertensos, diabéticos, pessoas com tuberculose e portadores de hansianíese.

Na primeira fase das visitas domiciliares é feito o primeiro contato e mapeamentos de todos esses grupos prioritários. É um processo relativamente aleatório: os agentes saúde saem por meio de um trabalho de campo e visitam os moradores de uma determinada área. Através de fichas, é registrado o cadastro e o estado de saúde desses pacientes. Essa fichas geram os dados do SIAB, e são elas:

ficha B-GES (gestante), ficha B-HA (hipertenso), ficha B-DIA (diabético), ficha C (crianças), ficha B-TB (pessoas com tuberculose) e ficha B-HAN (pessoas com hanseníase).

Logo, as informações contidas nessas fichas será de suma importância para que as equipes de saúde possam buscar e localizar esses pacientes, com o objetivo de programar ações de educação em saúde. Dentre essas ações, podemos citar, por exemplo, a distribuição  de cartilhas e folhetos direcionados ao público-alvo, palestras preventivas e é claro, acompanhamento domiciliar.

O PMAQ deseja que as equipes de saúde “busquem e criem vínculo (interajam)” com esses pacientes, para que se possa fortalecer a união entre a equipe, o usuário SUS e a família.

Por isso, após esse trabalho de campo e preenchimento de todas essas fichas, é a vez das equipes de saúde promoverem ações pactuadas e eficientes visando esses grupos prioritários de pacientes, de uma forma eficiente e que alcance metas visivelmente reais.

Como criar metas e direcionar suas equipes?

Agora, chegamos no ponto chave da nossa questão: Como buscar ,encontrar e interagir com esses grupos prioritários para programar ações de educação em saúde?

A resposta se resume apenas em conseguir localizar esses grupos prioritários, somente assim, as equipes de saúde estabeleceram ações pactuadas de uma maneira eficiente e concentrada.

Portanto, você, gestor e equipe devem saber exatamente o número de gestantes, hipertensos, diabéticos, pessoas com tuberculose e hanseníase que estão localizados em determinada área. Também é importante saber quantas dessas pessoas faltam receber ou já receberão visitas domiciliares.

Mas é totalmente contraditório que as Equipes (EAB, ESF ou NASF) tenham somente as fichas de atendimento dos agentes de saúde como única ferramenta para conseguir localizar esses pacientes para realizar ações e atividades pactuadas.

Todas essas fichas podem ter seus dados comprometidos e perdidos, mediante principalmente à rasuras. O papel é um material extremamente vulnerável e manusea-lo com o objetivo de encontrar, por área, os pacientes de cada grupo prioritário é uma ação propicia a muitos erros e praticamente impossível, pois é claro, são muitas fichas a serem pesquisadas e analisadas.

Erros são suscetíveis no momento de dividir a equipe, não sendo possível separar os médicos e enfermeiros de forma correta para acompanhar determinada demanda (número) de pacientes localizados em uma determinada área.

Dessa forma, as equipes de saúde se encontraram perdidas, no momento de realizar ações pactuadas em saúde da forma que o PMAQ deseja.

No entanto, quando todos os profissionais de saúde (médicos e enfermeiros) sabem a demanda exata de pacientes em determinada área, a história muda, o trabalho não fica realmente mais fácil, ele simplismente acontece!

Estamos falando da criação de gráficos inteligentes a partir dos dados do SIAB, sendo possível, por categoria, encontrar a quantidade exata de pacientes por grupo prioritário cadastrados pela equipe de saúde em determinada área (bairro), de uma forma bem simples e clara. Veja o exemplo nas imagens abaixo:

Postar agora

 

GESTANTES BI certo

Agora, é possível que você, gestor e equipe consigam buscar e localizar os pacientes de grupos prioritários visando a promoção de ações e atividades em saúde. A interação entre as equipes e usuários SUS será evidentemente mais forte e eficaz.

Os gráficos são a melhor maneira de representar, visualmente, situações que envolvam grandes escalas númericas a serem analisadas.

A partir desses gráficos inteligentes suas equipes realmente irão possuir uma direção. Saberão ao certo como se dividir, tomando conhecimento da quantidade correta de médicos e enfermeiros que deverão atender em determinada área, conseguindo, portanto, localizar pacientes de qualquer grupo prioritário e possibilitar a real criação de ações e acompanhamento desses pacientes.

Lembrando que esses gráficos são uma prova para o Avaliador Externo (PMAQ) de que sua equipe está programando atividades para usuários de grupos prioritários.

Mas ainda é importante vencer a burocracia nos Postos de Saúde e por isso, não perca a nossa próxima dica.

Dr. Leonardo Alves
Siga-me

Dr. Leonardo Alves

Médico, Cardiologista, Estudioso de SUS e Informática médica.
CEO/Diretor da empresa MeuProntuário.net.
Dr. Leonardo Alves
Siga-me
Shares
Share This

Gostou? Compartilhe!

Compartilhe esse post com amigos!

Compartilhe!

Compartilhe esse post com amigos!

This is a demo store for testing purposes — no orders shall be fulfilled.